Artigo

Coluna da Rê! #1: O que você tem a aprender com o Pop merdão

É bom? Não! É construtivo? Também não! Mas não é que dá para tirar uma liçãozinha do Pop merdão?

Olá, amigos pasquindeiros! Começo hoje a “Coluna da Rê!” onde, toda semana, eu vou falar do que bem me der na telha (aliás, O Pasquindie está cheio de novidades, fiquem ligadinhos). Para abrir com chave de ouro, vou falar de algo que, provavelmente, vai interessar poucos de vocês, indies blasés: isso mesmo, o Pop merdão!

Mas por que o Pop merdão?

Quando comecei a escrever nesse belíssimo site, trouxe muitos conteúdos sobre música Pop. Não necessariamente porque eu gosto, mas porque sempre achei engraçado e totalmente irrelevante, ou seja, a cara d’O Pasquindie. Muitas mudanças editoriais aconteceram nesses cinco meses ABAIXO A CENSURA, ME DEIXEM FALAR DE POP, EQUIPE DO PASQUINDIE!!!1!!1!11 e mudamos o foco da conversa. Mesmo assim, o Pop merdão continuou na minha cabeça, incansável e facilmente decorável. Foi aí que percebi que, como tudo na vida, o Pop também tinha algo a me ensinar. Então, por que não abrir a mente, deixar o preconceito de lado e ver o que gente como Madonna, Beyoncé e Justin Timberlake tem a agregar na minha vida, não é mesmo?

E o que eles agregam?

Olha, muita coisa. O Pop que a gente conhece hoje tem raízes beeeeem mais antigas, lá dos anos 70, 80. O artista que eu mais gosto dessa época, que transformou TUDO, é ninguém mais, ninguém menos que ele, o rei: Michael Jackson. O cara não tem esse título à toa, pessoal. Sempre inovador, Michael ditou, mostrou a presença que tem BRADESCO, PATROCINA A GENTE e fez muita, mas música de qualidade.

Manjava pouco o rapaz

E é aí que tá um dos pontos mais legais do Pop: apesar daquele formato repetitivo “estrofe/estrofe/refrão/estrofe/ponte/refrão”, músicas Pop são muito bem produzidas e até trazem um certo frescor a esse formato.  Alguns dos meus exemplos preferidos da atualidade são Beyoncé e Justin Timberlake. É perceptível a qualidade no áudio, que os artistas sempre trazem para os shows. Além disso, não é o tipo de produção que precisa mascarar a falta de talento: Beyoncé e Justin mandam realmente bem e são criativos – o que às vezes a gente sente falta nesse mundo indie-underground-sou-mais-hipster-que-você.

E o que mais você aprendeu, Rê?

Aprendi um bocado sobre ~~diversão a valer~~. Já que não posso sair por aí viajando o mundo e fazendo minhas cagadas, vou rir muito das dos outros. Afinal, é MUUUUUITO mais legal ver a Miley Cyrus causando numa premiação chata e lançar uma nova moda muito doida do que, sei lá, fazer música pro metrô. MAS É SÓ MINHA OPINIÃO, CARA!

Então, abra a mente e vá ouvir um pouco de Pop merdão! Na verdade, ouça sempre um pouco de tudo, por mais babaca que pareça. Você não vai perder nada se ouvir algo diferente de Arctic Monkeys e Foster The People vez ou outra. Ah, e Pop merdão é só um apelido carinhoso, viu? Vocês são tudo uns merdão também :)

Anúncios

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s