Games Novidades

A Lenda de Zelda: Bafo do Selvagem (The Legend of Zelda: Breath of the Wild) é o jogo do ano

O mundo dos joguinhos eletrônicos, os famigerados vídeo jogos, é bastante competitivo e mesmo quando os jogadores não estão se digladiando nos botõezinhos, os próprios jogos competem entre si.

Todo ano (desde o longínquo ano de 2014) acontece a grande premiação TGA (ou The Game Awards) em que é eleito o Game Of The Year (ou “GOTY”, para os mais íntimos). A competição foi boa em 2017, apesar de só termos passado vontade e não ter jogado nenhum desses jogos que competiram porque a grana tá curta, né?

O grande vencedor supremo da premiação de jogo do ano de 2017 foi The Legend of Zelda: Breath of the Wild, que ainda estamos morrendo de vontade de jogar e não podemos opinar com embasamento, mas que pelos gameplays espelhados pela internê parece que realmente merece o cinturão dourado. O bafo do selvagem parece não inventar nada de novo (ou “reinventar a roda”, como dizem os jovens), mas consegue ser um bom jogo de mundo aberto, daqueles sem limites mesmo. Se quiser enfrentar o boss com 2 horas de jogo, pode ir. Sem problemas, vai lá campeão! Você vai tomar uma surra dele? É bem provável, mas se quiser, você pode.

Ainda dá pra fazer um monte de coisa no game. É possível caçar, cozinhar, jogar baseball e até paquerar. Tudo aquilo que você deveria fazer longe de um controle de videogame, mas que passa longe na vida real pela incapacidade social. Sei bem como é. 

 

Nesse páreo estavam ainda o Super Mario Odyssey (outro jogo que a gente queria jogar, mas infelizmente não tá rolando um Nintendo Switch). Parece um Super Mario 64 turbinado e com aquele lance de possessão de corpos. Parece maneiro.

mario

Fora dos mundo da Nintendo (e seus dois únicos jogos pra Switch), competiram o Horizon: Zero Dawn e Persona 5. O primeiro deles é um daqueles que estamos esperando uma boa promo pra comprar. Inclusive, se souber de alguma manda aí nos comentários. É sério. Esse jogo parece foda. Tomb Raider com Transformers. Melhor fusão de franquias. Já o segundo deles: meh. Parece legalzinho, mas minha época de jogar RPG já foi.

Mais um que competiu foi o PlayerUnknown’s Battlegrounds, que você já tá cansado de ver por ai, né? Todo mundo sabe que a graça é ficar se estapeando com a frigideira, mas sempre tem alguém que não sabe brincar vai pegar uma arma e te matar. Babaca. Como meu PC é uma merda, não joguei. O máximo que cheguei perto foi com a cópia chamada Fortnite que até que é divertida. Mas vamos combinar, rola uma “inspiração” bem pesada.

tenor (1)

Ainda teve aquelas outras tantas categorias que ninguém se importa como “Melhor Pro Player”, “Melhor VR”, “Melhor jogo para portátil” e outras coisas tão específicas que você provavelmente nem ouviu falar desses jogos. Se quiser ver todos os ganhadores, vai lá Omelete, que eles são bem melhores que a gente nisso.

Fase Bônus:

Teve até um diretor de jogo que estava um pouco desidratado e quando foi receber seu prêmio mandou um “Fuck Oscars” ao vivaço (O LOCO BIXO). O nome do cidadão é Josef Fares, diretor do jogo A Way Out que cometeu aquele sincericídio regado a um pouco de álcool.

Fase Bônus 2:

Teve até os queridinhos franceses do Phoenix cantando umas faixas novas do “Ti Amo” na premiação. Rola uns barulinhos de games antigos e tudo mais. Divertido. Não vai mudar sua vida. Mas vale a pena a ver se tiver uns minutos sobrando. De olho no replay:

Fase bônus 3:

Dollynho bafo do selvagem, esse mod sim deveria ser o jogo do ano. Nintendo, quero esse jogo na minha mesa até as 18h da sexta-feira. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s